Balanço do Ano Letivo

O 1º ano de implementação do Sistema de Garantia da Qualidade, alinhado com o EQAVET, foi um ano de muitos desafios e trabalho para a Escola Profissional Bento de Jesus Caraça. O trabalho desenvolvido foi transversal e envolveu, além da equipa da EPBJC, a comunidade escolar.

Foi também um ano que nos permitiu comprovar que muito do trabalho que já desenvolvíamos e dos indicadores que acompanhávamos eram já, claramente, demonstradores da relevância que sempre atribuímos à Qualidade no nosso sistema de ensino, reforçado pelo nosso Projeto Educativo de Escola.

Antecipando o Balanço Anual no âmbito do EQAVET, em outubro, disponibilizamos, desde já, no nosso site, alguns documentos que passam a estar disponíveis para consulta, cumprindo o requisito de divulgação a que nos propusemos: Documento Base, Plano de Ação, Plano de Melhoria e Metas.

Disponibilizamos, igualmente, o Balanço do Ano Letivo 2017/18, bem como os Relatórios aos Inquéritos à Satisfação dos Empregadores, à Satisfação dos Trabalhadores e ao Percurso Pós-Formação dos Alunos (ciclo 2013/16).

Estes dados são preciosos auxiliares para continuarmos, dia a dia, a dar passos que nos ajudam a avançar na implementação do Sistema de Garantia da Qualidade e, também a errar. Mais que isso, a aprender com os nossos erros, que não receamos, e a refletir, debater, propor, tentar, redefinir metas, estratégias, assumir novos desafios.

 

Algumas referências a reter no Balanço do Ano Letivo 2017/18

No ano letivo 2017/18, a EPBJC contou com quase 1300 alunos matriculados: 1185 alunos nos Cursos Profissionais e 108 alunos nos Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF).

Em julho de 2018, 94% dos alunos dos alunos que frequentaram até ao final o seu curso profissional concluíram-no com êxito. Face aos alunos matriculados no 10º ano, esta taxa desce para 75%. Já no CEF, concluíram 95% dos alunos que estiveram matriculados até ao final do curso.

Conseguimos superar as metas que estabelecemos no âmbito do EQAVET, nomeadamente, ao nível das taxas de desistência ao longo do ano letivo, que se situaram na ordem dos 6,7% (Ensino Profissional) e 11,1% (CEF). Estas são taxas que confirmam uma evolução positiva, pois são inferiores às de anos anteriores. O mesmo ocorreu ao nível do absentismo, com taxas de 7% (Ensino Profissional) e 4,7% (CEF), pelo que também neste campo conseguimos melhores resultados do que aqueles aos quais, inicialmente, nos propusemos.

Os vários indicadores e resultados apurados vêm confirmar-nos que as realidades e os públicos diferem muitíssimo de delegação para delegação e que é o compromisso, o envolvimento e o trabalho conjunto de todos os agentes que nos permite encontrar novas soluções e evoluir positivamente no caminho do sucesso educativo.